Quando o peso vira uma obsessão

Quando o peso vira uma obsessão

Atualmente está muito difundido que para estar no peso ideal, você deve fazer um cálculo onde vão ser levados em consideração o peso mínimo e máximo em relação à sua altura (IMC). Quando se está acima desse percentual, devemos observar outros índices corporais como colesterol, diabetes, pressão e também se existem dores nas articulações, joelhos e coluna. Em compensação quando estamos magros, nos sentimos melhores, com mais autoestima, qualquer roupa “caindo” bem. Com tudo isso, muitas pessoas escolhem fazer controles rígidos com relação ao seu peso para se sentirem sempre bem, serem elogiadas, desejadas, mas muitas vezes às custas de sua própria saúde. Hoje é comum as várias ofertas de dietas, produtos que prometem resultados miraculosos em pouco tempo e sem muito esforço e vários tipos de cirurgias. Encontramos pessoas que vivem obsecadas em contar a caloria dos alimentos, se é completamente saudável e dependendo do tipo da dieta, quantos pontos eles têm. Isso vai levar essas pessoas que estão sempre preocupadas em controlar a comida que está ingerindo a desenvolver aos poucos o transtorno obsessivo compulsivo (TOC), onde ela vai viver diariamente uma rotina. Por exemplo, contar as calorias do seu café da manhã, correr uns 6 km (“menos do que isso, posso engordar!”), ir para a academia e fazer umas duas aulas, contar calorias do almoço, à tarde correr mais 6 km, contar calorias no jantar e ir dormir. Isto é o equivalente a pessoa que tem TOC, abrir e fechar a porta do armário “x” vezes para se certificar que ela está bem fechada porque senão algo muito ruim pode acontecer! Os processos psíquicos neste caso vão se organizar através de princípios super rigorosos, com regras rígidas e autoritárias. Pela teoria de Freud, a mente estaria sempre procurando o princípio do prazer (ser magro, ser bonito e elogiado) e procuraria evitar o desprazer de qualquer maneira (ganhar peso e não receber elogios, por exemplo). A mente então vai desenvolver métodos que lhe garantam a sobrevivência e não necessariamente o conforto. Esta é apenas uma forma de analisar o caso pois vai depender de como se apresenta este indivíduo com relação à comida e o que ela representa para ele. Portanto, num processo terapêutico hipotético, um dos pontos que pode ser observado é procurar desenvolver o estar no mundo deste indivíduo, tratando qualquer dificuldade que apareça de uma forma mais realista e menos exagerada, tornando a mente mais forte e apta para encontrar soluções criativas para sua...

Read More

COMPORTAMENTO ALIMENTAR

COMPORTAMENTO ALIMENTAR

Você alguma vez devorou uma caixa inteira de bombom ou comeu um pacote inteiro de biscoito para compensar algum fato ruim ou para se consolar de algo? Saiba que a comida sempre esteve associada não somente ao conforto como também a comemorar algo que foi muito bom ou para compensar alguma situação desagradável. Esse tipo de comportamento está associado à fome emocional que não está ligada a nenhuma necessidade fisiológica, mas a fatores psicológicos sendo um método para a pessoa lidar com o stress ou para compensar alguma emoção negativa que ele ainda não sabe lidar. Com isso, cria-se o círculo vicioso, onde o indivíduo sempre que se sentir ansioso ou triste vai repetir o seu ritual alimentar: buscar o alimento para lhe trazer prazer inicial e logo em seguida vai se sentir arrependido e culpado. Também existe o padrão associado à restrição alimentar. Mediante uma emoção que vai servir como “gatilho”, o indivíduo vai diminuir drasticamente a ingestão de comida com o intuito de se sentir no controle da situação. Como a fome física é ignorada, num curto espaço de tempo vão surgir consequências tanto físicas quanto psicológicas. Portanto, podemos designar as doenças do comportamento alimentar como a Aneroxia, Bulimia e Binge Eating (compulsão alimentar). Estas se caracterizam por um controle extremo com episódios de compulsão alimentar e atitudes compensatórias (vômitos). É muito importante em qualquer um destes casos, procurar ajuda profissional, seja através de psicólogo, grupos terapêuticos, nutricionista e médicos. Todas essas doenças, inclusive a obesidade, pode viver disfarçada por muito tempo. Por exemplo, a pessoa não se importando em ter “uns quilinhos a mais”, ou “estou sem fome” ou mesmo “não tenho vontade de comer”. Qualquer que seja o caminho terapêutico escolhido, é importante que sejam trabalhados sentimentos como ansiedade, impulsividade e tolerância em relação à angústia e...

Read More

Wilhelm Reich e a formação das couraças

Wilhelm Reich e a formação das couraças

Wilhelm Reich nasceu em 1897 na Áustria e faleceu em 1957 numa prisão americana vítima de ataque cardíaco. Ele é ao mesmo tempo um psicoterapeuta e pesquisador sempre considerando as dimensões clínica e política. Para Reich estes dois aspectos não se separam, o individual e o social, o público e o privado. Ao longo de sua vida participou, afastou-se ou foi expulso de várias organizações, pois estas eram instituições em que ação e pensamento não fluíam juntos. Somente depois que se afastou da psicanálise, Reich pode desenvolver seu trabalho no organismo estudando as funções da energia vital e seu processo no sistema nervoso autônomo. Também trabalhou o contato energético entre mãe e bebê, reconhecida como saúde emocional posterior. Reich é considerado o pai das atuais sicoterapias corporais como bioenergética, biodinâmica, biossíntese e orgonoterapia. Durante a clínica, Reich percebeu e estabeleceu relações entre as experiências emocionais relatadas pelos pacientes e as expressões corporais relacionadas a esses relatos. Começou a observar a importância das alterações do tom de voz, respiração, gestos nas mãos, expressões faciais, etc. Com isso, ele reconheceu que a forma de expressão é tão importante quanto seu conteúdo emocional e que forma e conteúdo tinham uma íntima relação entre si. Reich vai se preocupar em “como” o paciente diz e em “como” o seu corpo fala, liberando defesas que são características de determinados sintomas para serem analisadas. Desse aprendizado, passou a reconhecer alguns padrões típicos de comportamento associados a determinados quadros psicopatológicos. Terminou por estabelecer a relação entre a estrutura psíquica (couraça de caráter) e seu correspondente corporal (couraça muscular). Na couraça muscular, Reich vai reconhecer a couraça nas tensões musculares crônicas que vão estar dispostas em feixes transversais à longitude do corpo. São sete níveis ou anéis da couraça: olhos, boca, pescoço, tórax, diafragma, abdome e pelve. O encouraçamento é universal, o que vai variar é a intensidade e o significado ideológico. Para Reich, a couraça de caráter se formaria numa defesa contra a ansiedade dos sentimentos sexuais da criança e seu medo de punição. Ele se forma em torno do ego, sendo o resultado do conflito das exigências pulsionais com o mundo externo. Na medida em que as defesas do ego se tornam cônicas e automáticas elas evoluem para traços ou couraça caracterológica. Os prazeres libidinais ficam recalcados e caso o sujeito transgrida, ele vai sentir um medo consciente ou inconsciente de ser punido. Tanto os pais como os educadores vão alimentar esse medo. A cada couraça do ego, existe a couraça muscular equivalente. O físico e emocional estão juntos. Para Reich os tipos caracteriais são moldados a partir de valores culturais. Ou seja, cada cultura produz seus tipos próprios em sua própria época, não sendo...

Read More

Transtornos da adolescência

Transtornos da adolescência

A aneroxia geralmente inicia-se na infância a partir dos sete (7) anos ou na adolescência geralmente em meninas e mulheres jovens na faixa de quatorze (14) a dezessete (17) anos. Inicialmente é marcado por restrição dietética progressiva com a eliminação de alimentos como carboidratos e doces. É importante lembrar a participação de fatores psicossociais nesses transtornos simbolizados através da insatisfação com seus corpos, medo de engordar, apresentando um comportamento obsessivo com sintomas depressivos. Nas meninas, a grande preocupação é com relação com o estético e com os meninos vai dizer respeito à saúde e condicionamento físico. Também é praticamente normal o uso de purgativos e o hábito de se exercitar exaustivamente. A bulimia é extremamente rara antes dos doze (12) anos. A compulsão alimentar geralmente surge durante uma dieta para emagrecer. No início pode se relacionar à fome, mas depois que o ciclo compulsão alimentar-purgação se torna um hábito surgem também uma série de sentimentos negativos como solidão, ansiedade, tristeza e frustração. O tratamento para esses transtornos (aneroxia e bulimia) consiste numa equipe multiprofissional psicológica e nutricional e também a participação da família. Transtornos de humor Apesar dos sintomas básicos serem os mesmos para adultos, adolescentes e crianças o que vai ocorrer para cada faixa etária é a predominância de alguns desses sintomas. Nas crianças vai ser comum irritabilidade, fobias, baixa autoestima, somatizações e fantasias de morte. Nos adolescentes, pode ocorrer perda de energia, tentativas de suicídio, problemas no desempenho escolar, alterações no sono, abuso de álcool e drogas. Nestes casos o tratamento seria através da psicoterapia e antidepressivos. Transtornos com uso de substâncias psicoativas O adolescente geralmente tem muita curiosidade por novas experiências e uma necessidade de pertencer a um determinado grupo. Com isso o indivíduo pode se tornar dependente e submisso sem consciência de seus atos, levando-o a utilização de substâncias psicoativas, negando sua dependência e ter resistência em admitir a gravidade do seu problema. O tratamento consiste em psicoterapia, antidepressivos, envolvimento familiar e em alguns casos mais crônicos, internação hospitalar. Transtornos de conduta A conduta psicopatológica de um modo geral tanto para crianças e adolescentes, vai depender da frequência com que ela ocorre. Tais desvios podem ser observados através das desobediências, dificuldade em aceitar regras e limites, desafiar autoridades em geral como pais e professores, ter atitudes agressivas e desafiadoras. Quanto mais cedo ocorrer o tratamento melhor vai ser o resultado que vai se constituir em psicoterapia familiar e individual, intervenções junto à família e escola e às vezes uso de psicofármacos. Transtornos de ansiedade A ansiedade e o medo vão ser considerados patológicos quando são exagerados ou desproporcionais em relação à causa que o deflagrou. Se for de curta duração e autolimitada seria considerada normal....

Read More

Futuro em família – Como a terapia pode contribuir?

Futuro em família – Como a terapia pode contribuir?

Vivemos numa época de mudanças, onde valores que nos foram ensinados estão sendo questionados quanto à sua serventia e veracidade. Valores que antigamente muitas vezes eram passados de geração a geração e que as pessoas nem sequer pensavam a respeito de sua origem ou se as mesmas seriam úteis para suas vidas. Hoje vivemos num mundo globalizado, em constante movimento, onde os relacionamentos são cada vez mais fugazes. A ciência, com toda a sua tecnologia em lugar da segurança, oferece o medo, a instabilidade e a competitividade. As previsões para o futuro são incertas e a certeza só se encontra no agora, na revisão de nossas ações a respeito da nossa vida e nos relacionamentos em geral. Portanto, várias surpresas nos aguardam. Como lidar com elas? Algumas tendências foram observadas através de pesquisas no mundo pós-moderno: existência de muitas separações e divórcios com uniões consensuais e diminuição do número de casamentos, tendência a casamentos mais tardios, cada vez mais o número de filhos diminuem, aumento da expectativa de vida, maior número de gravidez na adolescência, aumento do número de filhos que moram com os pais, dificuldade dos jovens de entrarem no mercado de trabalho, muitas famílias são chefiadas principalmente por mulheres e aumento de famílias unipessoais. A forma de organização das novas famílias não correspondem mais aos padrões anteriormente estabelecidos. Há uma gama de possibilidades como a fertilização in-vitro, doação de óvulos ou espermatozóides, “barriga de aluguel”, crianças adotadas por casais homossexuais, terminando por criar diversidades de laços parentescos. A terapia familiar na época da pós-modernidade vai trabalhar para que o indivíduo tenha uma vida digna, autônoma e sem sofrimento, colocando-o a serviço da liberdade com responsabilidade. Uma escolha responsável leva em consideração desejo, escolha e consequência. Para uma prática terapêutica ética, é importante que o terapeuta reflita sobre suas palavras e atitudes. Ou seja, se estas levam os clientes a ampliarem suas consciências, a uma autonomia, tornando-os responsáveis perante suas vidas. O terapeuta pós-moderno vai interpretar a realidade psíquica do paciente de acordo com sua própria interpretação e preferências. Não existe mais uma “boa teoria”. É importante verificar se o que vai será empregado vai contribuir na formação de um mundo melhor. Para que o terapeuta atue com coerência com esses princípios, é necessário que também ele esteja constantemente se autoavaliando quando às suas ações, quais os valores envolvidos, que efeitos resultaram a sua prática, para que possa traçar seus caminhos terapêuticos de forma autêntica. A família contemporânea a princípio parece falar várias línguas que muitas vezes não são conhecidas. Faz-se necessário observar os discursos ocultos que estão por trás das histórias que são contadas como sendo a única verdade. É importante a desmistificação e resistência ao diferente...

Read More

Conspiradores para a perda de peso

Conspiradores para a perda de peso

Você conhece os principais conspiradores para a perda de peso ao longo da nossa época contemporânea? Claro que antes de mais nada, devemos levar em consideração o sedentarismo, mas dessa vez vamos analisar outros aspectos como: – é muito curioso, mas toda vez que há uma diminuição dos depósitos de gordura, o cérebro interpreta que o corpo todo está sendo ameaçado e ele vai tentar ajustar de alguma forma o metabolismo para que possa ser reposta a gordura que foi perdida; – nos anos de 1970, o “boom” dos alimentos “fat free“, onde a orientação seria baseada na pirâmide alimentar, na qual em sua base estaria os carboidratos que poderiam ser consumidos à vontade e no topo estariam as carnes e gorduras que deveriam ser consumidas com cuidado. Neste caso, a indústria começou a produzir os tais produtos “fat free”, mas em compensação deram uma caprichada no açúcar e com isso veio a obesidade. Hoje com os Estados Unidos com mais de 70% de obesos, o México ultrapassando os americanos e o Brasil com 52%. Vale ressaltar que existem gorduras que são benéficas que não vão aumentar o colesterol e também vão proteger o coração como os óleos vegetais, os contidos nas nozes, amêndoas, amendoim, castanha de caju e de oliva entre outros. Os que não são saudáveis são as gorduras animais caso forem consumidos em excesso. Quanto aos carboidratos temos os açúcares, que são digeridos rapidamente, e os farináceos, com digestão mais complexa. Seja um ou outro, o produto final vai ser a molécula de glicose que servirá de combustível para as células; – o meio de identificar os carboidratos que são mais saudáveis é através do índice glicêmico. Podemos exemplificar alguns alimentos com níveis glicêmicos altos: arroz branco, doces, sucos, batata, alimentos industrializados. Alimentos com níveis glicêmicos baixos: cenoura, feijão, maçã, macarrão, leite desnatado, etc. Também outro fator que deve ser levado em conta é a carga glicêmica que vai avaliar a quantidade de glicose em cada porção. Então, no melão, por exemplo, apesar dele ter um índice glicêmico alto, sua carga glicêmica é baixa porque ela contém muita água. Então segundo o médico Drauzio Varella ” para quem pretende perder peso, o pior dos mundos é passar os dias sentado e adotar dietas com índices glicêmicos e cargas glicêmicas elevadas, porque para metabolizar a glicose formada o pâncreas precisa produzir insulina. Quantidades maiores de açúcar forçam a liberação de doses excessivas de insulina, que podem causar hipoglicemia e retorno rápido da fome. Ao contrário, refeições com cargas glicêmicas baixas e gorduras saudáveis retardam o aparecimento...

Read More