A imagem corporal, saúde e autoestima

Posted by on maio 16, 2016 in Artigos

A imagem corporal, saúde e autoestima

Você já observou que nossa imagem corporal é o nosso cartão de visita? Tudo o que é visto pelo outro vai falar muito a nosso respeito: roupas, cabelo, pele, peso, gerando impressões certas e erradas. Essas impressões é reflexo de nossa cultura, pois a cada época as vestimentas, um determinado peso e mesmo o comportamento vão refletir uma época. Vivemos constantemente sendo julgados por essa “aparência”, ou seja, o que aparece para o outro e caso esse julgamento seja percebido como negativo, a autoestima pode ser muito afetada, caso a pessoa não tenha uma imagem positiva de si mesma.

Inclusive, atualmente com os “selfies”, há cada vez mais preocupação com o belo para que seja mostrada para os outros uma pessoa realizada em todos os sentidos. Por exemplo, estar abaixo ou acima demais do peso vai implicar em uma quebra de padrão saudável. Uma pessoa que está fora dos padrões passa a ouvir comentários desagradáveis e pode vir a enfrentar atitudes negativas e sofrer bullying. Dessa forma, quando a experiência é negativa, várias crenças podem ser geradas fazendo com que o indivíduo tenha um determinado conceito de si mesmo. Conheça algumas dessas crenças:

• Não tenho um relacionamento porque não sou bonito o suficiente;
• Não consigo ter o peso ideal, portanto sou um perdedor;
• Devo me resignar pois vou ter sempre esse peso

As crenças negativas fazem com que a autoestima despenque e o indivíduo passa a escolher não vivenciar experiências positivas, porque não merece ou não é digno o suficiente, como por exemplo: ter um relacionamento satisfatório, ir a festas, tentar um emprego melhor etc., tudo porque ele não acredita que nada de bom virá em função de seu peso “errado”.

Será que é só ter o peso “correto para ser feliz e para que tudo dê certo? Geralmente é o que todos acreditam! Atualmente o peso considerado “correto” é completamente irreal e impossível de conseguir pois é baseado nas passarelas de moda e muitas pessoas vão por em risco a própria saúde para conseguir esse peso totalmente irreal para seu tipo de corpo. O melhor é procurar ver qual seria o seu peso ideal, levando em consideração vários fatores como altura, massa muscular, massa magra, etc.

Em segundo lugar, nem sempre uma barriga sarada é a solução para uma autoestima melhor. Mesmo que essa pessoa tenha se esforçado tanto para alcançar esse “ideal” de beleza, ela ainda pode receber críticas de outras pessoas que não tem o mesmo gosto estético dela e terminar por continuar com autoestima baixa apesar de ter um corpo esculpido.

É importante que você faça uma análise se sua baixa autoestima vem apenas do incômodo com seu peso ou há também outras fontes. A autoestima geralmente é resultado de uma série de fatores e portanto é necessário observar todos (ou quase todos) eles;

• Crenças negativas: acima nós mostramos algumas crenças negativas, mas é importante você conhecer as suas e muitas vezes você vai precisar do auxílio de um profissional de psicologia para descobrir as que estão ocultas no seu inconsciente;
• Você não é só seu corpo: o corpo é importante, mas você não deve reduzir sua vida apenas ao seu corpo pois temos também a nossa mente e o espírito ;
• Valorize as partes determinadas partes do seu corpo: aprenda a se olhar e a gostar do seu corpo: você pode estar fora do peso, mas certamente há coisas que você gosta: seus olhos, sua pele, suas pernas. Procure por coisas que goste e destaque-as no seu dia a dia;
• Procure um psicólogo: se sua autoestima estiver prejudicando seu desempenho e suas experiências de vida, ou se está associada a um quadro depressivo.

Por fim, lembre-se que seu peso é antes de qualquer coisa uma questão de saúde. Pessoas magras demais muitas vezes se sentem mais aceitas porque nossos padrões de beleza tendem para a magreza, mas a magreza excessiva não é necessariamente sinal de saúde. Se seu peso prejudica sua saúde, vale a pena procurar descobrir a fonte do problema e trata-lo. Seu corpo e sua mente agradecem!

Share

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *